Tecnologias de reprodução assistida e a questão dos riscos para mulheres e embriões: a ponta de um iceberg

Kalline Carvalho Gonçalves Eler

Resumen


Em procriação assistida nem tudo que é tecnicamente possível é eticamente aceitável e socialmente desejável, sendo necessário considerar seu impacto nas mulheres e nos embriões. Entre os riscos às mulheres, há a ingestão de hormônios, que pode ocasionar complicações potencialmente graves. Para os embriões, há riscos de prematuridade e baixo peso, além de outras enfermidades. Este artigo defende uma tutela protetiva forte para a mulher e para o embrião extracorporal. Diante dos novos dilemas bioéticos, a essência do ser humano está em questão, sendo tarefa de todas as esferas do conhecimento distinguir o que personaliza o ser humano daquilo que o despersonaliza.


Palabras clave


Tecnologias de reprodução assistida; saúde; dignidade humana.

Referencias


Andorno, R. (2012). Bioética y dignidade de la persona. Madrid: Tecnos.

Ballester, F.J.B. (2011). El equívoco de la esterilidad: ¿enfermedad o manipulación? Revista de Bioética y Derecho, 23, 21-34

Corrêa, M.C.D.V. (2001). Ética e reprodução assistida: a medicalização do desejo de filhos. Rev. Bioética, 9 (2) 71-82.

Davies, M.J., Moore, V.M., Willson, K., Van Essen, P. , Priest, K., Scott, H., Haan, E.A., Chan, A. (2012). Reproductive Technologies and the Risk of Birth Defects. New England Journal of Medicine, 366 (19) 1803-1813.

Fukuyama, F. (2003). Nosso futuro pós-humano: consequências da revolução da biotecnologia. Rio de Janeiro: Rocco.

Hansen, M., Bower, C., Milne E.K.N., Kurinczuk, J.J. (2005). Assisted reproductive technologies and the risk of birth defects: a systematic review. Human Reproduction, 20 (2) 328–338.

Leal, C.H. (2003). Inyección intracitoplasmática del espermatozoide (ICSI): una técnica de reproducción asistida con indicaciones. Revista Colombiana de Obstetricia y Ginecología, 54 (3) 157-163.

López Mortalla, N. (2012). El precio del milagro de los nascimentos por las técnicas de fecundación assistida. Cuadernos de Bioética, 23 (2) 421-466.

López Mortalla, N., Zepeda, A.H., López, D.B. (2012). Riesgos para la salud de los nascidos por las técnicas de fecundación asistida: la punta de um iceberg. Cuadernos de Bioética, 23 (2) 467-527.

Pinto, A.V. (2005). O conceito de tecnologia. Rio de Janeiro: Contraponto.

Reis, A.R.G. (2006). O ethos em tempo de Bioética: o site como tropo. In: Ferreira, V., Ávila, M.B., Portella, A.P (Orgs.). Feminismo e novas Tecnologias Reprodutivas. Recife: SOS CORPO – Instituto Feminista para a Democracia, 79-94.

Santos, M.F.O dos. (2010). Injeção intracitoplasmática de espermatozóides: questões éticas e legais. Rev. Bras. Saude Mater. Infant., 10 (supl. 2), 289-296.

Scherrer, U., Rimoldi, S.F., Rexhaj, E., Stuber, T., Duplain, H., Garcin, S., de Marchi, S.F., Nicod, P. , Germond, M., Allemann, Y., Sartori, C. (2012). Systemic and Pulmonary Vascular Dysfunction in Children Conceived by Assisted Reproductive Technologies. Circulation 125 (15) 1890-1896.

Sève, L. (1997). Para uma crítica da razão Bioética. Lisboa, Piaget.




DOI: https://doi.org/10.14422/rib.i02.y2016.005

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Licencia de Creative Commons
Revista Iberoamericana de Bioética (ISSN 2529-9573) editada por Universidad Pontificia Comillas se encuentra bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional
 
    MIAR

Revista Iberoamericana de Bioética

Universidad Pontificia Comillas

Universidad de Comillas, 3-5 - 28049 Madrid