Os Zoológicos sob a perspectiva da bioética ambiental: uma análise a partir do estudo de caso dos felídeos cativos

  • Marta Luciane Fischer PUCPR
  • Stephanie da Silva Prohnii Pontifícia Universidade Católica do Paraná
  • Natalia Aline Soares Artigas Pontifícia Universidade Católica do Paraná
  • Roseli Aparecida Silverio Universidade Federal do Paraná

Resumen

Este estudo visa levantar as questões éticas envolvidas na manutenção de animais em zoológicos a partir da avaliação das condições de felídeos cativos. Para tal, foi conduzida uma pesquisa teórica e exploratória de textos científicos e consultas às informações disponibilizadas por zoológicos nacionais e internacionais, visitas e entrevistas a diferentes instituições. Argumentos de diferentes setores da sociedade interessados na manutenção ou extinção dos zoológicos foram confrontados, fundamentando a elevação do grau de bem-estar-animal, como princípio ético esperado em instituições que se prontifiquem a manter animais selvagens cativos, através de estratégias como enriquecimento ambiental, investimento em pesquisa, tecnologia e monitoramento.

 

Biografía del autor/a

Marta Luciane Fischer, PUCPR
Licenciada e Bacharel em Biologia - PUCPR - , Licenciada em Arte Educação - FAP-PR - Mestre e Doutra em Zoologia - UFPR - Pós-doutra em comunicação animal - UFPR. Docente dos cursos de Ciências Biológicas, Psciologia e Mestrado em Bioética PUCPR.
Stephanie da Silva Prohnii, Pontifícia Universidade Católica do Paraná
Graduada em Ciências Biológicas da Pontifícia Universidade Católica do Paraná
Natalia Aline Soares Artigas, Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Graduada em Ciências Biológicas a Pontifícia Universidade Católica do Paraná e Especialista em Educação Ambiental pela Faculdade Barão de Mauá

Roseli Aparecida Silverio, Universidade Federal do Paraná

Especialista em Conservação da Natureza e Educação Ambiental PUCPR - Mestre em Zoologia pela Universidade Federal do Paraná

Citas

Acco, A., Pachaly, J. R., & Bacila, M. (1999). Síndrome do estresse em animais-Revisão. Arquivos de Ciências Veterinárias e Zoologia da UNIPAR, 2 (1) 71-76.

Anderson, U. S., Kelling, A. S., Pressley-Keough, R., Bloomsmith, M. A. & Maple, T. L. (2003). Enhancing the zoo visitor’s experience by public animal training and oral interpretation at an otter exhibit. Environment and behavior, 35 (6) 826-841.

Bosa, C. R. & Oliveira-Araújo, L. (2013). Reações dos visitantes mediante os recintos dos felinos em um zoológico no sul do brasil. Revista Monografias Ambientais, 10 (10) 2288-2301.

Brasil (1983). Lei Nº 7.173, de 14 de dezembro de 1983. Dispõe sobre o estabelecimento e funcionamento de jardins zoológicos. Recuperado de: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/1980-1988/L7173.htm.

Broom, D. M. & Fraser, A. F. (2010). Comportamento e bem-estar de animais domésticos. 4. ed. Barueri: Manole.

Catibog-Sinha, C. (2008). Zoo Tourism: Biodiversity Conservation through Tourism. Journal of ecotourism, 7 (23) 160-178.

Celotti, S. (2001). Guia para o enriquecimento das condições ambientais de cativeiro. England: Universities Federation for Animal Welfare.

Cruz, J. B. (2011). Zoológicos e Pesquisas. Revista Pesquisa FAPESP, (153) 1.

Dias, J. L. C. (2003). Zoológicos e a pesquisa cientifica. São Paulo: Biológico.

Fioravanti, C. (2011). Menos bicho e mais pesquisa. Revista Pesquisa FAPESP, (181) 16-23.

Fischer, M. L., Aguero, W. P., Rodrigues, G. S., Silva, D. P. S. & Moser, A. M. (2016a). Enriquecimento ambiental como princípio ético nas pesquisas com animais. Revista Bioética, 24 (3) 532-541.

Fischer, M. L., Cunha, T. R., Rosaneli, C. F., Molinari, R. B., & Sganzerla, A. (2016b). Crise hídrica em publicações científicas: olhares da bioética ambiental. Revista Ambiente & Água, 11 (3) 586-600.

Fischer, M. L.; Renk, W.; Santos, G. R.; Bordini, A. S. J. (2014). Interfaces entre a Bioética Ambiental e o Ecoturismo. Bioethikos, 8 (4) 413-421.

Fischer, M. L, Tamioso, P. R. (2013). Perception and position of animals used in education and experimentation by students and teachers of different academic fields. Estudos de Biologia: Ambiente e Diversidade, 35 (84) 85-98.

Fischer, M. L. Tamioso, P. R. (2016). Bioética Ambiental: concepção de estudantes universitários sobre o uso de animais para consumo, trabalho, entretenimento e companhia. Ciências & Educação, 22 (1) 163-182.

Fischer, M. L., Zanatta, A. A., Adami, E. R. (2016c). Um olhar da bioética para a zooterapia. Revista Latinoamericana de Bioética, 16 (1) 172-197.

Francione, G. L. (2013). Introdução aos direitos dos animais: seu filho ou cachorro. Campinas: Unicamp.

Garcia, A. R. M., Portella, A. S., Juárez, K. M. (2001). Enriquecimento ambiental com chimpanzés (Pantroglodytes) no Zoológico de Brasília. Universitas: Biociências, 2 (1) 15-22.

Harrison, R. (1964). Animal Machines. London: Methuen and Company, 186.

IUCN – INTERNATIONAL UNION FOR CONSERVATION OF NATURE (2002). Technical Guidelines on the Management of Ex Situ Populations for Conservation. Recuperado de https://portals.iucn.org/library/efiles/documents/Rep-2002-017.pdf.

Lacy, R. C. (1991). Zoos and the surplus problem: an alternative solution. Zoo biology, 10 (4) 293-297.

Marino, L., Scott O., Lilienfeld, R., Malamud, N., Nobis, R. B. (2010). Do Zoos and Aquariums Promote Attitude Change in Visitors? A Critical Evaluation of the American Zoo and Aquarium Study. Society and Animals, 18 126-138.

Mcphee, M. E. & Carlstead, K. (2010). The importance of maintaining natural behaviors in captive mammals. In Kleiman, D. G., Thompson, K.V. & Baer, C.K. Wild mammals in captivity: principles and techniques for zoo management. Chicago: University of Chicago Press, 303-313.

Mergulhão, M. C. & Vasaki, B. N. G. (2002). Educando para a conservação da natureza: sugestões de atividades em educação ambiental. São Paulo: Editora EDUC.

Morgan, J. M. & Hodgkinson, M. (1999). The motivation and social orientation of visitors attending a contemporary zoological park. Environment and behavior, 31 (2) 227-239.

Newberry, R. C. (1995). Environmental enrichment: increasing the biological relevance of captive environments. Applied animal behavior science, 44, 29-243.

Potter, V. R. (2016). Bioética ponte para o futuro (trad. Zanella, D. C.). São Paulo: Edições Loyola.

Primack, R. B. & Rodrigues, E. (2001). Biologia da Conservação. Londrina: Vida.

Regan, T. (2006). Jaulas Vazias, encarando o desafio dos direitos dos animais. Canoas: Lugano.

Singer, P. (2004). Libertação animal. Porto Alegre: Lugano.

Smith, L., Broad, S. & Weiler, B. (2008). A closer examination of the impact of Zoo visits on visitor behavior. Journal of sustainable tourism, 16 (5) 544-562.

Snyder, N. F. R., Derrickson, S. R., Beissinger, S. R., Wiley, J. W., Smith, T. B., Toone, W. D. & Miller, B. (1996). Limitations of captive breeding in endangered species recovery. Conservation Biology, 10 (2) 338-348.

Tomas, S. R., Crompton, J. L., & Scott, D. (2003). Assessing service quality and benefits sought among zoological park visitors. Journal of Park and Recreation Administration, 21 (2) 105-124.

Tribe, A. (2004). Zoo tourism in Wildlife tourism: Impacts, management and planning (Higginbottom, K Ed.). Common Ground Publishing.

Wilson, E. O. (1984). Biophilia, the human bond with other species. Cambridge: Harvard University Press.

Young, R. J. (2003). Environmental enrichment for captive animals. Universities Federation for animal welfare (UFAW).

Zacariotti, R. L., Bondan, E. & Durrant, B. (2013). A importância da conservação ex-situ para a preservação de espécies ameaçadas de extinção e/ou endêmicas. Herpetologia brasileira, 2 (2) 33-35.

Publicado
2017-06-23
Cómo citar
Fischer, M. L., Prohnii, S. da S., Artigas, N. A. S., & Silverio, R. A. (2017). Os Zoológicos sob a perspectiva da bioética ambiental: uma análise a partir do estudo de caso dos felídeos cativos. Revista Iberoamericana De Bioética, (4). https://doi.org/10.14422/rib.i04.y2017.008
Sección
Artículos