O luto infantil nas doenças raras

  • Solange do Carmo Bowoniuk Wiegand Pontificia Universidade Católica do Paraná. Escola de Ciências da Vida. Programa de Pós-graduação em Bioética
  • Caroline Filla Rosaneli Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Programa de Pós-graduação em Bioética

Resumen

A literatura aponta interesse no luto de familiares de pacientes com doenças raras, entretanto o tema é pouco abordado pela comunidade acadêmica voltada para as crianças. O objetivo deste estudo é promover um ensaio reflexivo sobre o luto infantil, de si próprio, tecendo considerações sobre o conceito de morte para a criança, no seu enfrentamento de uma doença rara. As dificuldades de se chegar a um diagnóstico final, bem como, os conflitos bioéticos voltados ao direito à saúde e à vida, também serão discutidos.

Biografía del autor/a

Solange do Carmo Bowoniuk Wiegand, Pontificia Universidade Católica do Paraná. Escola de Ciências da Vida. Programa de Pós-graduação em Bioética
Mestranda do Programa de Pós-graduação em Bioética
Caroline Filla Rosaneli, Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Programa de Pós-graduação em Bioética
Docente do Programa de Pós-graduação em Bioética

Citas

Alves, E. G. R. (2008). Morte em vida: mutilações e o processo do luto pela identidade perdida. In M. J. Kovács (Org.), Morte e existência humana: Caminhos de cuidados e possibilidades de intervenção. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Arantes, A. C. Q. (2016). A morte é um dia que vale a pena viver. Rio de Janeiro: Casa da Palavra.

Barbosa, R. L. (2013). O Raro em um dia de conscientização mundial. In Dia Mundial das Doenças Raras, 2013 - Ação do Deputado Federal Romário na Câmara. Centro de Documentação e Informação. Coordenação Edições Câmara, Brasília.

Brasil. (2012). Resolução CSN nº 466, de 12 de dezembro de 2012 – Conselho Nacional de Saúde. Institui diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/ res0466_12_12_2012.html

Brasil. (2014). Portaria GM/ MS n º 199, de 30 de janeiro de 2014 – Institui a Política Nacional de Atenção Integral às Pessoas com Doenças Raras, aprova as Diretrizes para Atenção Integral às Pessoas com Doenças Raras no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) e institui incentivos financeiros de custeio. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2014/prt0199_30_01_2014.html

D’Assumpção, E. A. (2010). Sobre o viver e o morrer – Manual de Tanatologia e Biotanatologia para os que partem e os que ficam. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes.

European Conference. (2005). European Conference on Rare Diseases. Eurordis. Luxembourg 21-22 June 2005. Recuperado de http://ec.europa.eu/ Health/ph_threats/non_com/docs/ev_pre2005_frep_en.pdf

Ferreira, P. K., Ravaglio, A. V. M, & Simão-Silva, D. P. (2017). O diagnóstico nas doenças raras: dificuldades de acesso, impacto e vulneração. In D. P. Simão-Silva, & L. Pessini (Org.), Bioética, tecnologia e genética. Série Bioética, vol. 3. Curitiba: CRV. DOI: https://doi.org/10.24824/978854441820.8

Jonas, H. (2006). O Princípio da Responsabilidade. Rio de Janeiro: Contraponto.

Kübler-Ross, E. (2008). Sobre a morte e o morrer: o que os doentes terminais têm para ensinar a médicos, enfermeiras, religiosos e aos próprios parentes. 9.ª ed. São Paulo: Martins Fontes.

Kovács, M. J. (2002). Morte e desenvolvimento humano. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Monsores, N. (2013). Questões bioéticas sobre doenças genéticas raras. In Dia Mundial das Doenças Raras 2013 - Ação do Deputado Federal Romário na Câmara. Centro de Documentação e Informação. Coordenação Edições Câmara, Brasília.

Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Unesco. Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos. Adaptada por aclamação no dia 19 de Outubro de 2005 pela 33.ª sessão da Conferência Geral da UNESCO. Recuperado de http://unesdoc.unesco.org/images/0014/001461/ 146180por.pdf

Paiva, L. E. (2009). Biblioterapia: Um recurso para abordar a morte, perdas e luto, na clínica e na educação. In F. S. Santos (Org.), A arte de morrer – Visões plurais. São Paulo: Comenius.

Silva, A. M. (2005). A criança diante da morte. In E. A. D’Assumpção (Org.), Biotanatologia e Bioética. São Paulo: Paulinas.

Torres, W. C. (2012). A criança diante da morte. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Wiegand, S. C. B. (2010). Educação para a morte. In A. Escudeiro (Org.), Sobre Perdas. Fortaleza: LC Gráfica e Editora.

Publicado
2019-07-05
Cómo citar
Wiegand, S. do C. B., & Rosaneli, C. F. (2019). O luto infantil nas doenças raras. Revista Iberoamericana De Bioética, (10), 1-11. https://doi.org/10.14422/rib.i10.y2019.001